ARTIGO – NAS ELEIÇÕES EU ESCOLHO O BRANCO!

POR DANIEL MOTA

No primeiro turno, justifiquei meu voto em detrimento de estar em Natal-RN.

Assim será também no segundo turno, onde retornarei à cidade.Só que com um grande detalhe.

No primeiro turno justifiquei, porém, meu voto seria de Bolsonaro.

Nesse segundo confesso que não tenho a mesma certeza. Isso posso justificar.

Não posso votar em alguém pensando simplesmente em aspectos pessoais, no meu caso, acredito que a política econômica de Paulo Guedes é mais benéfica. Acredito que ele é a melhor opção na segurança pública, e ainda é o único candidato que pode escolher ministros sem dever favores a outros partidos.

Nesse ponto ele é disparadamente melhor que o PT.

O PT é absurdamente superior em ações assistenciais, o próprio bolsa família tirou muita gente da fome. Minha casa minha vida, fies, prouni, ações estas, são mui importante ao Brasil.

O PT é ideologicamente contra os valores judaicos/cristãos, isto é fato.

Então teologicamente ele não é problema.

Já Bolsonaro é outra história. Ele se declara cristão. Me preocupa a igreja evangélica propagar, enaltecer o candidato mais que o Evangelho.

Declarações no passado como: tortura, no voto do impeachment elogiar Ustra, propor ações de confronto armado onde civis morrem, e não se importar o fato. Isso sem falar em fechar o congresso, dentre outro…

Isso é seu discurso do passado, vale ressaltar. Qualquer um pode falar aberrações no passado, quem nunca falou?

O problema é outro. Jair Bolsonaro se diz cristão.

E como cristão ele não tem nenhuma fala de arrependimento sobre tais afirmativas do passado que são totalmente contrárias ao evangelho. Por ele se declarar cristão. Isso me assusta.

O problema não é político, mas teológico.

Nesse segundo turno votaria em Branco, se caso votasse.

Primeiro por ter minha consciência tranquila, segundo não vejo saudável a postura da igreja, não quero ser maculado como isso…

Meu desejo é que eu esteja errado.

Porém a história é como espiral, já afirmava o filósofo Hegel: ‘ o passado volta ao presente similarmente’.

Que o Senhor me livre de mim mesmo.

Melhor deixar essas eleições sobre a soberania do Senhor: ‘ pois não há autoridade que não venha de Deus’.

Feliz a nação cujo Deus é o Senhor, e não necessariamente dos evangélicos.

Mais hoje eu prefiro ficar no Branco.

 

*Daniel Mota é Jurista, Teólogo, Pastor Batista e Missionário Transcultural

Share

Deixar uma Resposta